Estatísticas comprovam: Cícero pouco passa, desarma, dribla ou finaliza

Nesse momento de crise do São Paulo, um dos principais focos de críticas da torcida é Cícero, inclusive para questionar Rogério Ceni. O argumento dos que o contestam é de que ele pouco participa das partidas. Segundos os números do Footstats neste Campeonato Brasileiro, quem diz isso tem razão.

Escalado ao lado de Jucilei, no centro do meio-campo no 3-4-3 montado por Ceni, o camisa 8, em oito jogos, executou cinco desarmes certos (é o décimo do time no quesito) e dois errados (é o terceiro da equipe). Na prática, tenta muito menos essa jogada importante do setor do que o colega: Jucilei aplicou 23 desarmes certos e quatro errados, sendo líder e vice-líder, respectivamente, do Tricolor nesses fundamentos no torneio.

Mesmo com a pequena participação defensiva, com média de menos de uma tentativa de desarme por jogo, Cícero, de 32 anos, consegue ser o segundo jogador do clube com mais cartões amarelos na liga nacional. Foram dois, abaixo somente das três advertências que o zagueiro Rodrigo Caio recebeu até agora.

Cícero não compensa esses números na missão de ser uma espécie de motor do time. Nesses oito jogos, deu 281 passes certos (é o terceiro do time, mas bem abaixo dos 442 de Jucilei e dos 356 de Junior Tavares) e 26 errados (quarto da equipe, muito longe dos 57 de Pratto e Junior Tavares e dos 42 de Marcinho). E também não aprofunda o jogo, já que tem 13 lançamentos certos (é o quarto do time) e nove lançamentos errados (oitavo).

As ações ofensivas são ainda mais baixas. Cícero arriscou apenas um drible no Brasileiro (e acertou) e errou todos os quatro cruzamentos (décimo do time no quesito) e as seis finalizações (terceiro) que tentou em oito partidas. E deu somente quatro passes para finalizações, com nenhuma virando gol – na prática, cria uma chance a cada dois jogos.

Rogério Ceni pediu a contratação de Cícero, com quem foi campeão da Copa Sul-Americana enquanto ele era goleiro, em 2012. O meio-campista chegou do Fluminense e tem contrato até o fim de 2018. Costuma receber elogios do técnico, passando sem crise pelo acesso de fúria do treinador nos vestiários do Morumbi no qual um quadro atingiu o jogador acidentalmente, há dois meses.

Mas Cícero, sacado no intervalo da derrota para o Atlético-PR, na quarta-feira, já tem substituto: Petros, que assina contrato com o clube na segunda. Consequência da fraca temporada do camisa 8, com quatro gols em 30 jogos: três na vitória por 4 a 2 sobre o PSTC, do Paraná, na Copa do Brasil, e outro no jogo seguinte, no triunfo por 4 a 1 sobre o Santo André, pelo Paulistão – as partidas ocorreram nos dias 1 e 5 de março, respectivamente.

 

Fonte: Lance

11 comentários em “Estatísticas comprovam: Cícero pouco passa, desarma, dribla ou finaliza

  1. Ceni quer e vai morrer abraçado ao Ciço. Teimosia ou cegueira é o maior mal da maioria dos técnicos. A torcida toda vê e enxerga o que eles não conseguem.

  2. Para mim, desde a primeira passagem quando em uma entrevista ele disse que gostava de jogar como terceiro volante, eu vi que não serviria para nada, terceiro volante para mim, é prá ficar no banco de reservas.

  3. Nada contra que o Rogério Ceni convide o Cícero toda semana pra jantarem juntos: afinal são amigos. Agora, colocá-lo toda semana pra jogar… aí já fico pensando…

  4. qdo vi a especulação q poderia vir, torci pra não dá certo, agora quem sabe vai pro banco…. para nossa sorte ou tente jogar mais avançado pois como segundo volante não dá…

Deixe uma resposta para Marcos Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.