Diretoria são-paulina preocupada com má relação entre Ney Franco e elenco

A diretoria do São Paulo está muito preocupada com a relação entre Ney Franco e o elenco. Além do clima não estar bom nos bastidores, as manifestações públicas de ambos os lados têm incomodado à cúpula, que preza por resolver os problemas internamente.

Mas uma coisa é certa, o discurso de Juvenal Juvêncio em outubro de 2011 não será aplicado dessa vez. Naquela oportunidade, o presidente do clube afirmou que se a situação não melhorasse, ele trocaria os jogadores e não o técnico. Agora, se os resultados não surgirem na Copa Libertadores, a corda vai estourar para o lado de Ney Franco.

Na visão da diretoria, ter de se desfazer de um técnico eventualmente desvalorizado não causa grande impacto no mercado. Por outro lado, o sinal de alerta é ligado ao ver atletas de grande valor, caso de Ganso por exemplo, em baixa. O clube não quer perder seu investimento e patrimônio, já que também vive de grandes negociações.

O fato do Maestro não conseguir jogar é visto por muitos como culpa de Ney Franco. Se o meia está recuperado e liberado pelo departamento médico, por que ele não volta a atuar pelo menos próximo do nível que tinha no Santos, questionam os defensores de Ganso.

A situação do treinador não melhorou depois da vitória sobre o Oeste, no último domingo. Na coletiva, Ney tentou colocar ordem e afirmou que quem reclamar de ser substituído, não jogará mais. A diretoria não digeriu bem mais uma rebatida do treinador, que já havia respondido publicamente a Rogério Ceni (ano passado) e ao vice-presidente de futebol João Paulo de Jesus Lopes (há três semanas).

O descontentamento com o trabalho de Ney Franco é também porque a equipe não consegue apresentar bom futebol desde o início do ano e fracassou nos clássicos e jogos mais decisivos de 2013.

Por enquanto, o técnico será mantido no cargo. A expectativa é que ele consiga ao menos controlar as insatisfações dos jogadores e unir o grupo novamente, como estava no fim de 2012, quando o Tricolor conquistou a Sul-Americana. Se isso não ocorrer e o clima continuar ruim, o mau futebol deve seguir. A consequência pode ser uma eliminação precoce na Libertadores e a demissão de Ney Franco.

As discussões públicas com os jogadores

Rogério Ceni
No ano passado, contra a LDU de Loja (ECU), no Morumbi, Rogério Ceni queria a entrada de Cícero no time. Ney chamou Willian José e o goleiro reclamou. No campo mesmo, o treinador retrucou para Ceni. Na coletiva depois do jogo, Ney reprovou a atitude do capitão e disse que quem mandava na equipe era ele. No dia seguinte, Rogério também se pronunciou e negou haver qualquer conflito com o treinador.

Ganso
Titular contra o Palmeiras, com Jadson poupado, Paulo Henrique Ganso não gostou de ter sido substituído no início do segundo tempo, após a expulsão de Lúcio. Saiu de campo cabisbaixo, sussurrou insultos e atirou um copo d’água ao chão ao chegar no banco de reservas. Após a partida, disse não ter entendido a alteração, nem o motivo pelo qual ainda não é titular. Minutos depois, Ney Franco não criticou o atitude do meia, e defendeu a postura.

Lúcio
Contratado para encorpar o espírito aguerrido do elenco para a Copa Libertadores, Lúcio não gostou de ser substituído contra o Arsenal (ARG), na última quinta-feira. Saiu do gramado sem cumprimentar Ney Franco e os colegas de equipe, e foi para o vestiário. Lá, assistiu ao segundo tempo, e foi o primeiro a ir para o ônibus da delegação. No desembarque em Guarulhos no dia seguinte, alfinetou o treinador e confirmou a insatisfação.

Fonte: Lance

3 comentários em “Diretoria são-paulina preocupada com má relação entre Ney Franco e elenco

  1. Vou dizer outra coisa:
    O SP não precisava do Lúcio. Algum desavisado não foi capaz de raciocinar que, se os clubes italianos tinham interesse no Rodolfo é porque o Lúcio, que já estava lá, não estava servindo pra ninguém . Aí contratou-se um veterano que já não estava jogando regularmente, com salário altíssimo, que certamente causa algum desconforto nos companheiros e que, devidamente comparado, hoje produz muito menos que o Edson Silva que, tenho certeza, não deve ganhar 20% de seu parceiro de zaga.
    E ainda faz “panca” pra sair do time. Na Itália ficava quetinho no banco e não reclamava.
    Se a diretoria quiser um SP equilibrado como era antigamente, deveria reafirmar em público e particularmente a autoridade do Ney Franco e ficar ao seu lado neste momento de confusão; mesmo porque, outro técnico que viesse para o lugar dele já chegaria sabendo que seria apenas um “distribuidor” de camisas, sem autoridade alguma junto aos “medalhões” do time.

    • Paulo Roberto, vc tem razão no seu comentario.
      Eu acho que o maior problema do São Paulo não
      é o Ney Franco e sim o Lucio que veio ganhando
      muito mais que os outros e isso esta gerando
      desconforto.
      É só lembramos do Ricardinho quando foi contratado.

  2. Vou dizer uma coisa:
    Quando Ganso e Neymar surgiram para o futebol, pelos toques precisos, que invariavelmente encontravam algum companheiro bem colocado, cheguei a apostar em que o Ganso seria o craque da dupla. Com o tempo, ainda jogando no Santos, percebi meu erro: o que acontecia é que, com Neymar puxando toda marcação sobre ele e desequilibrando, sobrava muito espaço e companheiros desmarcados para receber as bolas que ele tocava.
    O que acontece hoje é que o SP não tem ninguém que mereça atenção especial e que puxe uma marcação maior, permitindo aos demais, espaço para receber bolas em condições de finalizar. Ademais, e isso só tem a ver com as condições técnicas do Ganso, ele tem errado, sistematicamente, passes de 3 ou 4 metros; em todos esses jogos que fez pelo SP, nenhuma vez deu um passe que lembrasse um craque; sua movimentação é lenta e previsível e não procura um espaço vazio para ter oportunidade de fazer diferença.
    É uma pena, mas estou querendo acreditar que os santistas estão certo: um compadre carregava o outro. . .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*