Diniz deixa de ser incômodo no SP e ganha acesso até para os vestiários

O empresário Abílio Diniz reatou com a diretoria do São Paulo e está cada vez mais próximo do clube, após ter vivido pelo menos um ano em relação conflituosa com os dirigentes.

Torcedor declarado, Diniz antes era visto como um personagem incômodo pela maioria, mas agora é considerado aliado e tem até frequentado encontros da cúpula do clube, inclusive com acesso aos vestiários do Morumbi antes das partidas. Tal mudança acontece no período em que o empresário deixou o Grupo Pão de Açúcar e em que a diretoria tricolor também sofreu mudanças.

Segundo dirigentes aliados do presidente Juvenal Juvêncio, o problema de Abílio Diniz era com o ex-diretor Adalberto Baptista. As críticas do empresário, no entanto, eram diferentes. Houve momentos nos últimos anos em que Diniz reclamou da gestão, mas a enorme maioria das críticas era sobre futebol, dentro de campo, em relação ao trabalho dos treinadores da equipe.

Em 2012, por exemplo, Abílio Diniz reclamou do então técnico Ney Franco e também da formação do São Paulo nas categorias de base, no CFA de Cotia. Mas a situação se tornou incômoda nos anos anteriores quando o empresário era mais próximo do coordenador técnico Milton Cruz e sugeria alterações na equipe durante intervalos das partidas. Cartolas são-paulinos que souberam da tentativa de influência se irritaram.

Hoje, Abílio tem relação sem conflitos porque amenizou críticas e também está menos atuante. No fim de 2011, ele teve papel determinante na escolha do presidente Juvenal Juvêncio pela contratação do técnico Emerson Leão, por quem fez lobby. Hoje considerada um erro da diretoria, a escolha rendeu pontos negativos a Diniz, que não tentou influenciar contratações em outros momentos após a saída de Leão. Hoje, o empresário mantém as discussões com a diretoria sobre futebol, mas tenta não interferir nas decisões.

Abílio Diniz é membro do Conselho Consultivo do São Paulo, que conta com membros como o publicitário Roberto Justus. O grupo tem papel apenas de propor ideias e analisar iniciativas, além de facilitar contatos entre empresas e o clube, mas não exerce papel executivo ou de participação na gestão.

Em abril de 2013, Diniz se tornou presidente do conselho administrativo da BRF. Em setembro, ele renunciou ao mesmo cargo no Grupo Pão de Açúcar, após acordo com o francês Casino. A reaproximação ao São Paulo, coincidência ou não, acontece exatamente após essa mudança.

 

Fonte: Uol

4 comentários em “Diniz deixa de ser incômodo no SP e ganha acesso até para os vestiários

  1. Paulo, Boa Tarde
    Gostaria de corrigir a sua informação, pois o Abílio Diniz não é membro do Conselho Consultivo, posição conferida exclusivamente a ex-presidentes do Conselho Deliberativo e da Diretoria, ele, assim como outros, são, apenas, Consultores do referido Conselho.

  2. Paulo, Boa Tarde
    Gostaria de corrigir a sua informação, pois o Abílio Diniz não é membro do Conselho Consultivo, posição conferida exclusivamente a ex-presidentes do Conselho e da Diretoria, ele, assim como outros, são, apenas, Consultores do referido Conselho.

  3. O cara de areia mijada se aproximou do bebum e conseguiu além de estádio para o time dele, um patrocínio de empresa pública.
    Esses merdas que se encostam no São Paulo, mesmo tendo muito mais condição que o bebum, em nome de uma suposta ética de suas empresas, aparentemente pouco fazem pelo clube e só servem para dar pitaco e fritar jogadores e técnicos.
    Quer saber, VSF, noticiazinha escrota que só serve para dar ibope para o envolvido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*