Data da estreia de Luis Fabiano é mistério até para jogadores

O departamento médico são-paulino prefere não fazer previsões públicas quanto à data da tão aguardada estreia de Luis Fabiano. O mistério é grande e nem os jogadores têm informações sobre o assunto.

“Quem dá a data é o doutor, eu não estou sabendo. O Luis é um ídolo. Ao vê-lo batalhando, se esforçando, sofrendo, você acaba sofrendo junto. Graças a Deus, está acabando isso e ele vai poder nos ajudar muito”, contou o volante Wellington, em discurso parecido com o do lateral Juan.

“Só o vejo na academia, não sei como está no campo. Tem que voltar quando estiver bem. Ele chegou já há algum tempo, teve toda aquela festa e a cobrança vai ser grande”, alertou o camisa 6, que recusou-se a palpitar sobre a volta do ídolo. “Eu não faço aposta (risos)”.

O Fabuloso passará por um teste isocinético e pode ser liberado para trabalhar com os preparadores físicos do São Paulo na sexta-feira. O atacante tem pequenas chances de jogar contra o Corinthians, dia 21, e boas possibilidades de atuar contra o Botafogo, dia 25. A maior expectativa, porém, é para o dia 2 de outubro, contra o Flamengo, no Morumbi.

O atacante tem desequilíbrio muscular (a perna direita, que passou por duas operações, está mais fraca que a esquerda). Para solucionar o problema, considerado normal pelos médicos, ele intercala exercícios para fortalecimento no Reffis e o chamado trabalho proprioceptivo, que consiste em fazer movimentos com bola no campo, simulando situações de jogo.

Ansiosos pelo retorno, os companheiros têm poucas informações sobre a rotina de Luis Fabiano. Nesta quarta-feira, após o treino da equipe no Morumbi, o zagueiro João Filipe não soube dizer o que o centroavante estava fazendo no CCT da Barra Funda. “Nem passa pela minha cabeça, cheguei aqui (estádio) bem cedo e não conversei com ninguém”, disse.

“A expectativa é muito grande, é um artilheiro, centroavante que todo defensor fica inseguro ao enfrentar. Ele impõe respeito, mete muitos gols. Estamos esperando essa volta”, completou.

O mais interessado no tratamento do camisa 9 talvez seja o técnico Adilson Batista, que tem escalado o setor ofensivo do time com Dagoberto e Lucas, sem um homem de referência. O comandante até observou o primeiro treino de finalizações do atacante desde a cirurgia plástica que realizou para corrigir a cicatrização da primeira operação, na terça-feira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*