Cueva retorna menos valorizado do que ele e São Paulo esperavam

Em 9 de maio, quando foi expulso na vitória por 1 a 0 sobre o Rosario Central, no Morumbi, pela Copa Sul-Americana, Cueva e São Paulo tiveram a sensação de que aquele era o seu último jogo pelo clube. O peruano foi liberado mais cedo para acompanhar o nascimento do filho e se preparar para a Copa do Mundo, com todos na expectativa de que seu desempenho na Rússia gerasse uma alta oferta para deixar o Tricolor. O que não se confirmou.

Exatos dois meses depois da partida que tinha tudo para ser a sua despedida, Cueva se reapresentou no CT da Barra Funda, nessa segunda-feira. Menos valorizado do que se imaginava. O São Paulo chegou a recusar uma oferta superior a 7 milhões de euros (R$ 27,8 milhões na época) da China no primeiro semestre e, no dia da volta do peruano, o jornal argentino Olé noticiou que o Independiente ofereceria US$ 6,5 milhões (quase R$ 25 milhões) pelo meia.

Desde o início do ano, os dirigentes do São Paulo e os responsáveis por cuidar da carreira de Cueva tinham convicção de que a Copa do Mundo seria a vitrine ideal para uma negociação, dois anos depois de ele chegar ao Morumbi. A meta de valor estipulada sempre foi de 8 milhões de euros (R$ 36,07 milhões) e, agora, o objetivo chega perto dos US$ 10 milhões (R$ 38,45 milhões).

Mas a Copa do Mundo, grande aposta dos envolvidos, não foi tão positiva quanto se imaginava. Embora tenha sido titular do Peru, Cueva perdeu pênalti na derrota para a Dinamarca, na primeira rodada, e rendeu menos do que se esperava. Contudo, ainda existe a expectativa de que algo, ao menos, próximo dos valores estipulados como meta chegue nos próximos dias.

A diretoria do São Paulo tem tranquilidade no momento por crer que a situação tem sido tocada com transparência por todos os envolvidos. Cueva e os dirigentes têm em comum essa perspectiva de sair. A possibilidade, inclusive, foi usada como motivação por Raí, diretor executivo de futebol, após deixá-lo de fora de três jogos no início do ano por sua postura de se recusar a ficar no banco de reserva nas primeiras rodadas do Campeonato Paulista: aproveitar o semestre para chegar bem ao Mundial e ter propostas.

A aposta era tão grande que o Tricolor não economizou em negativas às ofertas que chegaram em 2018. Neste ano, já ocorreram sondagens da Rússia, uma oferta de 7 milhões de euros (R$ 27,8 milhões na época) do Al-Hilal, da Arábia Saudita, e uma proposta oficial veio da China, com valor superior, mas forma de pagamento que não agradou ao próprio jogador.

O técnico Diego Aguirre nunca escondeu que, como a diretoria informou, a expectativa é de que Cueva seja negociado. Caso contrário, o peruano terá de provar sua condição de entrar no time, que se colocou entre os primeiros colocados do Campeonato Brasileiro com o trio Nenê, Everton e Diego Souza dominando o setor ofensivo. E, por enquanto, o camisa 10 tem feito somente trabalhos individuais, já que acabou de voltar ao CT da Barra Funda.

 

Fonte: Lance

4 comentários em “Cueva retorna menos valorizado do que ele e São Paulo esperavam

  1. Desde a primeira recusa à proposta vinda da Rússia tendo dito que aquela recusa fora um grande tiro no pé e que, ao contrário que a diretoria e muita gente pensava, ele só poderia se desvalorizar na Rússia, dado ao fraco time que ele comporia, que não tinha nenhuma grande perspectiva na Copa alem de dela participar.
    Muito bem: o tempo correu, a copa acabou, mas o Cueva está aí: desvalorizado, segundo a reportagem. Foi o que previ.
    A diretoria tem dito que espera uma grande oferta por ele, sem dizer de onde, mas, com os meu botões, acredito que é apenas uma forma de se sair melhorzinha na foto. Vamos esperar pra ver.
    Entretanto, sou daqueles que ainda acreditam no cara jogando; apenas há que se combinar uma forma de incentivar o desempenho dele. Ele é um bom jogador e já mostrou isto; incentivado acho que poderá voltar a ser protagonista e valorizar-se. Acredito mais nisto do que em uma voa venda pra algum time, como o desejado pela maioria.

  2. Ele lembra aquela fruta que não é colhida. Fica no pé, amadurece e depois apodrece. Já passou da hora de sair. Sua presença poderá até interferir no bom ambiente do vestiário.

  3. Com vontade de jogar seria um reforço grande para o elenco, mas se tiver a mesma postura vagabunda que teve esse ano pode deixar apodrecer encostado.
    Se ficar no SPFC que seja pra somar, porém se ficar de mimimi e contaminando o grupo, que se coloque pra treinar em separado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*