Contra Arsenal, São Paulo põe em jogo sequência na Libertadores

A estabilidade do São Paulo na sequência da fase de grupos da Libertadores está ligada necessariamente a uma vitória sobre o Arsenal, nesta quinta-feira. Com Ney Franco cada vez mais pressionado no cargo, ninguém no clube cogita repetir o empate do Pacaembu, o que ameaçaria a segunda colocação e, por consequência, a vaga no mata-mata.

A equipe brasileira está somente um ponto à frente do terceiro colocado, The Strongest. A diferença para o Arsenal, lanterna da chave, também não é confortável. Os argentinos conquistaram seu primeiro ponto justamente diante do São Paulo e agora podem igualar a pontuação se saírem vitoriosos neste reencontro, marcado para 21h30 (de Brasília) desta quinta-feira.

“É fundamental vencer. O time vem conseguindo isso no Paulista, mas não na Libertadores. Tecnicamente, às vezes a gente não tem conseguido desenvolver as coisas que temos na cabeça”, opinou o goleiro e capitão Rogério Ceni, antes de analisar o adversário.

Marcelo Ferrelli/Gazeta Press

Luis Fabiano é desfalque por ter sido expulso no jogo passado, já depois do apito final do árbitro

“É um time que joga (sempre) da mesma maneira, com duas linhas de quatro. Um time muito competitivo, aguerrido, e acho que o jogo vai ser parecido com o do Pacaembu. Mas espero que o resultado seja melhor”, completou o camisa 1, referindo-se ao inesperado 1 a 1 da semana passada.

 

Para conseguir um resultado melhor, o São Paulo deve superar importantes baixas. Wellington e Luis Fabiano, suspensos por cartões amarelo e vermelho respectivamente, não viajaram à Argentina. O substituto do volante se definiu em treino fechado e não foi revelado por Ney Franco. Mas a reposição do centroavante é sabida: Aloísio sairá da ponta direita para voltar à sua posição de origem.

“É bem diferente. Como segundo atacante, eu acompanho o lateral. O centroavante fica mais nos dois zagueiros ou volta para um pouco no volante. Como centroavante, estou mais perto do gol. Espero fazer gols, como fiz também no Figueirense”, comparou Aloísio.

Do lado argentino, a pressão é ainda maior, já que os comandados de Gustavo Alfaro só tem um ponto. “Não cabe outro resultado que não seja a vitória. Sabemos a importância que tem a partida”, reconheceu o lateral direito Danilo Gerlo, ao cobrar dedicação extrema no duelo decisivo.

“Temos que jogar uma partida intensa, com alto nível de concentração, com pressão alta. Não podemos atacar como loucos, mas temos que jogar 90 minutos intensamente”, receitou o argentino, que foi titular no primeiro confronto.

FICHA TÉCNICA
ARSENAL-ARG X SÃO PAULO

Local: Estádio Julio Grondona, em Sarandí (Argentina)
Data: 14 de março de 2013, quinta-feira
Horário: 21h30 (de Brasília)
Árbitro: Omar Ponce (EQU)
Assistentes: Luis Alvarado (EQU) e Byron Romero (EQU)

ARSENAL: Campestrini; Gerlo, Cuesta, Braghieri, Cuesta e Pérez; López, Marcone, Lugüercio e Carbonero; Rolle e Furch
Técnico: Gustavo Alfaro

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Rodrigo Caio, Lúcio, Rafael Toloi e Cortez; Fabrício, Denilson e Jadson; Douglas, Osvaldo e Aloísio
Técnico: Ney Franco

Fonte: Gazeta  Esportiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*