Com Ganso e novo esquema, São Paulo aprimora passe

“Ganso precisa melhorar na competitividade e na pegada”. A análise de Ney Franco pode ser embasada pelos números do Datafolha. Levantamento feito pelo UOL Esporte mostra que o São Paulo, com seu novo esquema e com Ganso em campo, melhorou bastante a qualidade do passe, mas piorou na pegada e teve leve queda nas finalizações.

O levantamento leva em conta os últimos três jogos com o 4-4-2 e os últimos três em outro sistema. Ou seja, o empate com o Palmeiras, a vitória contra o Oeste e a derrota para o Arsenal de Sarandí por um lado e as vitórias contra Mirassol e São Bernardo e na derrota contra o Corinthians do outro. O jogo contra o Paulista não foi considerado pela equipe ter atuado com reservas, o que faria com que os parâmetros fossem diferentes.

A  média dos três jogos do Datafolha mostra que, no 4-4-2, o São Paulo trocou 332 passes na média, sendo 140 deles no campo defensivo e 192 do lado ofensivo. Enquanto isso, a média dos outros jogos é de 286, sendo 122 na defesa e 164 na parte da frente. O erro de passe permanece quase que inalterado, com a média de 52 com Ganso em campo e 53 sem ele.

O problema reside na pegada do time. Mesmo com o 4-4-2 com mais jogadores de meio de campo, com uma marcação mais forte, o número de desarmes cai. São 68 roubadas de bolas certas, com o ladrão saindo jogando, e 28 com bolas que são tiradas dos adversários, mas não seguem no domínio são-paulino. No sistema sem Ganso, o número sobe para 75 desarmes certos e 42 incompletos.

Na hora de finalizar, o São Paulo de Ganso apresenta uma leve queda, com 13 tentativas de furar a meta adversária contra 14 do time que tinha três atacantes. Outros dois fundamentos que não apresentam grandes mudanças são dribles e lançamentos.

Durante a semana, Ganso disse que se sente em constante evolução no São Paulo após ter achado o melhor jeito de jogar. Ele também admitiu que precisa pegar mais gosto pela finalização do que tem atualmente.

“Eu encontrei a forma de ajudar na marcação dentro de campo, de ficar mais bem posicionado para ajudar a equipe. Por isso, acho que ajudei muito nesse esquema. Fisicamente e tecnicamente, eu também melhorei muito com os treinamentos”, disse ele em entrevista coletiva nesta segunda-feira. “Mas eu sei que preciso melhorar nisso (chutar mais). Eu tive a chance de chutar e preferi passar a bola”, analisou.

Com o sistema no 4-4-2, o São Paulo vai enfrentar o The Strongest e precisa vencer para seguir com uma boa chance de classificação na Libertadores. Se o Arsenal de Sarandí vencer o Atlético-MG nesta quarta-feira, a vitória fica obrigatória, já que um revés culminaria na eliminação.

Fonte: Uol

2 comentários em “Com Ganso e novo esquema, São Paulo aprimora passe

  1. Apenas uma observação quanto a movimentação do Ganso, após os passes não está se movimentando como opção ou completar a jogada, o companheiro recebe a bola mas tem que achar outro jogador ou tentar livrar-se do adversário sozinho. Futebol hoje mais do que nunca é solidário principalmente por parte daqueles que têm mais recursos, vide Messi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*