Breno toca na ferida: ‘Podia ter amadurecido no Brasil antes de sair’

O Bayern de Munique pode comemorar mais um título alemão nesta terça-feira, em jogo contra o Hertha Berlim, a partir de 16h (de Brasília), mas tem alguém no clube que não vai estar plenamente feliz -. A pouco tempo de se ver livre da pena em regime semiaberto na prisão de Stadelheim, o zagueiro Breno segue sua rotina de trabalho em meio período nas divisões de base do clube bávaro enquanto aguarda a liberação para voltar ao Brasil e vestir a camisa do São Paulo, com quem tem contrato até 2015. Dois anos e meio depois da noite que mudou o rumo da sua vida, em 20 de setembro de 2011, confessa ter cometido erros na gestão da sua carreira.

– Hoje penso que poderia ter amadurecido um pouco mais no Brasil antes de vir para a Europa. Fui vendido ao Bayern de Munique muito novo – afirmou em entrevista por email ao Globoesporte.com.

Ansioso pelo retorno, o jogador reconhece as decisões que prejudicaram a sua carreira na Europa. Dificuldades de adaptação, série de lesões e imaturidade deram origem a um período conturbado na Alemanha, que o levaram a se envolver com álcool e a ser punido com três anos e nove meses de cadeia por ter incendiado a própria casa em Munique. Breno ainda conseguiu algumas atenuantes da pena por bom comportamento e, de acordo com a sua assessoria, deve sair em liberdade no meio do ano.

Campeão brasileiro em 2007, Breno deixou o São Paulo com apenas 19 anos com o rótulo de joia, mas não tardou muito até a aventura europeia se transformar em pesadelo. O zagueiro não superou a fase de adaptação e não rendeu dentro de campo os 12 milhões de euros pagos pela sua contratação.

– O clima e o idioma foram o mais difícil. É preciso se adaptar à cultura do país que é muito diferente do Brasil. Aos poucos você se vai acostumando, mas não é fácil – diz Breno.

Na sequência do mau rendimento dentro de campo, o Bayern decidiu emprestar o jogador. Mais um passo em falso na carreira de Breno, que não conseguiu convencer os bávaros a voltar a um dos vários times brasileiros interessados e acabou saindo para o Nuremberg por vontade do clube. A situação melhorou um pouco, mas o jogador se machucou gravemente, rompendo o ligamento do joelho e voltando para Munique.

– Insisti para ser emprestado a outro clube. Havia times brasileiros interessados, mas eles decidiram que deveria ser o Nuremberg. Foi lá que infelizmente tive a minha primeira lesão. A lesão me afetou mentalmente, porque nenhum jogador quer se machucar e ficar parado. Foi muito triste.

O regresso aos gramados pelo Bayern não foi feliz. O zagueiro não conseguiu continuidade, fez exibições ruins e contraiu nova lesão no tornozelo. No início da temporada 2011, chegou a trágica noite de 20 de setembro que mudou radicalmente a carreira do jogador. O atleta do São Paulo não quer ainda falar sobre o incidente, mas diz estar pronto para tocar na ferida assim que sair em liberdade, provavelmente quando já estiver no Brasil com a família, que em agosto aumentará com a chegada de mais uma criança.

guardiola bayern de munique treino (Foto: Agência Reuters)Guardiola no treino do Bayern: Breno assiste de longe ao trabalho e elogia cordialidade do técnico (Foto: Agência Reuters)

 

Enquanto aguarda pela liberdade, o zagueiro continua trabalhando na base do Bayern de Munique durante o dia e volta para dormir no presídio à noite. Depois de um ano em regime fechado, a vida de Breno melhorou com aplicação do regime semiaberto desde agosto do ano passado. Durante o dia, o jogador vive com alguma normalidade e até assiste aos treinos do ex-time.

– Tenho pouco contato com os meus ex-companheiros. Sempre os vejo, porque trabalho num prédio em frente ao campo de treino do Bayern e quando posso assisto um pouco ao treino. Encontrei o Guardiola algumas vezes e ele conversou comigo. É um ótimo treinador, sempre que nos encontramos, é muito cordial – diz Breno.

A badalada vida de jogador de um dos clubes top europeu faz parte do passado. Hoje, Breno se desloca de metrô, a sua família vive na periferia e reduziu a renda mensal de 100 mil para três mil euros. Nas ruas, algumas pessoas ainda reconhecem o zagueiro, que diz que não se importa com esses detalhes e admite viver focado no cumprimento das regras para poder retomar a carreira no Brasil. E, para tranquilizar os torcedores do São Paulo, que provavelmente contará com o zagueiro para disputar uma parte do Brasileirão, Breno assegura que se está se preparando muito bem fisicamente.

– O que mais quero fazer é poder voltar a jogar futebol, entrar num estádio lotado e chutar uma bola. Quero me preparar para voltar em um grande nível. Sempre que tenho tempo, faço o meu treino na academia do Bayern, treino duas vezes por dia e me sinto muito bem. Não estou treinando na mesma intensidade de um jogador em atividade, mas mantive a forma física – assegura o zagueiro.

Mesmo com o trauma, Breno não descarta voltar ao futebol europeu no futuro.

– Vai depender primeiramente em retomar a minha carreira. Se estiver bem, com certeza haverá o interesse de clubes europeus. Eu quero viver o momento. No futuro, quando chegar o momento, vou decidir com a minha família – conclui.

A expectativa da família é que Breno seja libertado entre abril e julho deste ano. Nesse caso, o jogador chegaria ao São Paulo ainda com 24 anos e com tudo para retomar a sua carreira no Brasil. A assessoria de Breno garante, no entanto, que, se não conseguir a liberdade nesse prazo, o jogador sairá no máximo até o fim de 2014, e volta ao Brasil e ao São Paulo já com 25.

 

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*