Boschilia e Ewandro queimam etapas “para não se achar demais”

Criticado por aproveitar pouco os pratas da casa no final de sua passagem pelo Santos, o técnico Muricy Ramalho promoveu dois novatos logo na segunda partida do São Paulo em 2014. O meia Boschilia e o atacante Ewandro, com 17 anos cada um, tiveram a chance de participar de parte da goleada por 4 a 0 sobre o Mogi Mirim na noite desta quarta-feira, no Morumbi.

“Quero queimar um pouco as etapas com os jogadores que são diferenciados. Lá, na base, às vezes eles se acham demais. Aqui, são só mais um. Vão conviver com o Rogério, comigo… É para não se achar demais”, comentou Muricy.

O técnico acredita que já conseguiu provocar um choque de realidade na dupla de jovens do São Paulo, que foi utilizada também em um jogo-treino com a seleção dos Estados Unidos. “Eles estão sentindo que a pegada é diferente aqui”, constatou.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press

O gol de Douglas, o último da vitória sobre o Mogi Mirim, saiu quando os garotos já estavam em campo

Boschilia e Ewandro foram destaques do São Paulo na Copa São Paulo de Juniores. A promoção dos dois acabou facilitada também porque o clube tem poucas opções ofensivas para a equipe profissional – até o momento, só contratou os laterais Luis Ricardo e Álvaro Pereira para 2014.

 

“Mas eles não foram chamados pelo que fizeram na Copinha, até porque não foram tão bem assim. Isso não dependia do campeonato”, assegurou Muricy, argumentando que já comandou trabalho semelhante no Santos. “Fiz isso lá, amadurecendo jogadores com 15, 16 anos e depois emprestando para a Copa São Paulo, em que eles foram campeões.”

Boschilia e Ewandro, portanto, ainda deverão disputar alguns torneios pelas categorias de base do São Paulo. “Eles são novos e necessitam jogar sempre”, disse Muricy, sem criar expectativas exageradas sobre quem acaba de sair do CT de Cotia. “É claro que precisamos ter calma com os dois e não achar que são soluções”, ponderou.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

Um comentário em “Boschilia e Ewandro queimam etapas “para não se achar demais”

  1. Basta ao Muricy, se achar que os meninos têm potencial, treina-los e coloca-los para jogar. Se forem bem nos jogos, um elogio público do técnico ajuda. Senão, uma conversa ao pé do ouvido com cada um basta para orientação. Ficar falando pela imprensa, principalmente com conotação negativa, apenas vai colocar os meninos na defensiva e deixa-los magoados com o treinador, o que vai ser ruim para todos e, principalmente, para o time. . .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*