Bola parada: opção para vencer o majestoso

Rogério Ceni é o maior goleiro-artilheiro do mundo. Já marcou 109 gols, sendo 57 em cobranças de falta. Sobre o Corinthians, o M1TO guardou três vezes: o centésimo de sua carreira, de falta, na Arena Barueri (2×1), é o que será mais lembrado. Ele também fez de pênalti no Pacaembu (5×1) e no Morumbi (3×1). Sempre que o goleiro marca em Majestoso, o São Paulo vence.

Rogério, sem dúvida, é a principal arma em cobranças de falta no clássico deste domingo, mas hoje o São Paulo conta com outros batedores que reforçam a equipe. Carleto ganhou a posição de Cortez e bate forte na bola. Não somente em faltas diretas, como também em cruzamentos de escanteios e faltas laterais. Ele já tem quatro assistências no Paulistão.

“É uma característica minha e hoje sabemos que o jogo, ainda mais um clássico, é definido em detalhes e a bola parada pode ser determinante”, afirma o camisa 16.

Outro forte candidato a exercer o papel de cobrador é Jadson, que pelo segundo ano consecutivo é líder em assistências (seis), muitas delas feitas em cobranças de bola parada.

“Ter mais de um batedor é importante porque dificulta a marcação adversária. Às vezes a bola de um cobrador não está dando certo e ao mudar o jeito podemos surpreender”, avalia o camisa 10.

Rogério, Jadson e Carleto são os principais cobradores, mas o zagueiro Rafael Tolói também treina muito, especialmente nas faltas de muito longe. Ele já marcou um golaço de falta, na goleada por 5 a 0 sobre a Universidade do Chile pela Sul-Americana e pode também decidir o clássico a favor do Tricolor. “Tenho treinado bastante e no momento decidimos quem vai bater. Depende muito do posicionamento e da confiança. Temos boa opções.”

 

Fonte: Site Oficial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*