Após polêmicas, São Paulo busca esquecer arbitragem na Bolívia

No último domingo, o São Paulo perdeu por 2 a 1 para o Corinthians, em clássico decidido em um lance que gerou muita reclamação dos jogadores do Tricolor: pênalti de Rogério Ceni sobre o atacante Alexandre Pato – para os são-paulinos, inexistente. Não foi a primeira vez em que o time se envolveu em polêmica com a arbitragem na temporada. Nesta quinta-feira, contra o Strongest, da Bolívia, a ideia é evitar todo e qualquer atrito com os homens do apito.

Ney Franco São Paulo grupo jogadores (Foto: Rubens Chiri / Site oficial do São Paulo FC)Ney Franco (de costas) conversa com jogadores (Foto: Rubens Chiri / Site oficial do São Paulo FC)

Ciente do caráter decisivo da partida, que certamente envolverá nervosismo das duas equipes, concorrentes por uma vaga às oitavas de final da Taça Libertadores, o técnico Ney Franco disse que dará atenção especial ao assunto em questão na preleção do jogo contra os bolivianos. Acima de tudo, o comandante quer fazer com que seus jogadores entendam que de nada adiantará fazer reclamações com a arbitragem.

– Toda palestra que eu dou durante a semana, reitero isso. Ela é dividida em temas: falo sobre parte técnica, tática e também sobre a relação com a arbitragem. Estou sempre batendo nisso, de que o São Paulo não vai ficar isento de erros, assim como qualquer outro clube – disse o treinador.

No empate por 1 a 1 com o Arsenal de Sarandí, da Argentina, no estádio do Pacaembu, o atacante Luis Fabiano foi reclamar com o árbitro colombiano Wilmar Roldán ao final da partida e acabou levando o cartão vermelho. A abordagem ríspida rendeu também uma punição imediata, aplicada pela Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) de quatro jogos de gancho. Na ocasião, o centroavante esbravejou contra um pênalti não marcado sobre ele no segundo tempo. No entanto, garantiu que não ofendeu o árbitro.

Um trio peruano estará no comando da arbitragem nesta quinta-feira, em La Paz. Victor Carrillo apita The Strongest x São Paulo a partir das 21h30m (horário de Brasília), no estádio Hernardo Siles, auxiliado por Jonny Bossio e Cesar Escano. Ney prefere se preocupar com a escalação do Tricolor.

– Tem coisas que você controla, como escalar a equipe, definir a formação que vai entrar jogando. Outras você não controla, como a arbitragem. É assim mesmo – decretou.

 

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*