Após assistência da virada, Ganso garante: ‘São Paulo está forte’

Paulo Henrique Ganso vai tentando justificar o investimento do São Paulo de quase R$ 24 milhões em sua compra. Após voltar para a reserva, o camisa 8 entrou na vitória por 2 a 1 sobre o The Strongest (BOL), nesta quinta-feira, e deu, nada mais nada menos, que a assistência para o gol da virada, deixando Luis Fabiano tranquilo para empurrar a bola para a fundo da rede.

Feliz com a bela ajuda, o meia ex-Santos deixou o Morumbi exaltando a força de recuperação que sua equipe teve durante o duelo pelo grupo 3 da Libertadores.

– Nossa equipe está forte para esta Libertadores. Está bem difícil os confrontos. As outras equipes estão vindo muito bem para esta competição – afirmou, ao canal Fox Sports.

Em um pouco mais de 29 minutos em campo, Ganso deu um total de 29 toques na bola: 27 passes certos e apenas dois errados. Contente ao ver sua equipe se recuperar após a derrota para o Atlético-MG na primeira rodada do torneio, ele ressaltou os suados três pontos.

– O importante é ganhar estes três pontos. Entrei e tentei ajudar a equipe. Eles estavam marcando muito bem a gente – concluiu.
Fonte: Lance

Um comentário em “Após assistência da virada, Ganso garante: ‘São Paulo está forte’

  1. Sou do tempo do 4-4-2 clássico. Dois laterais, dois zagueiros, dois volantes, dois meias e dois atacantes. O São Paulo mesmo já teve grandes equipes jogando desse jeito. O time que venceu a Libertadores em 93 tinha Pintado e Dinho de volantes, Raí e Cafu de meias. Nossos adversários já tiveram grandes times assim. O Corinthians do fim da década de 90 tinha Vampeta e Rincón de volantes, Marcelinho e Ricardinho de meias. A própria Seleção em 98, que não venceu mas era excelente, começou a Copa com Dunga e César Sampaio, Rivaldo e Giovanni. Com a saída de Giovanni, Leonardo no lugar. No super time da Copa das Confederações, em 2005, Émerson e Zé Roberto eram os volantes, Kaká e Ronaldinho os meias.

    Eu queria saber em qual momento da história esse esquema parou de funcionar. Deixou de existir. Eu queria saber quem foi o primeiro infeliz a dizer que jogar com dois meias deixa a defesa exposta. Quem inventou que o 4-4-2 com duas linhas de 4 é melhor que o 4-4-2 com um quadrado no meio? E mais: quem inventou essa bobagem de 4-2-3-1?

    No São Paulo de hoje, é claríssimo que os três jogadores mais inteligentes do elenco são Jádson, Ganso e Cañete (veja bem: eu disse inteligentes, não os mais talentosos, nem os melhores). Óbvio que nem sempre eles acertam, mas toda bola que sai do pé dos três é pensada, tem objetivo. Não são jogadores mecânicos, jogam com a cabeça. Se fosse uma pelada de clube, com certeza estariam entre os cinco primeiros escolhidos (os outros dois seriam Rogério e Luís Fabiano).

    É realmente impossível que Jádson e Ganso sejam os meias do time? Mas meias meias mesmo, pensando, armando e cadenciando. Ou Jádson e Cañete? Ou Ganso e Cañete?

    Não aguento mais essa história de substituto do Lucas. Entendam de uma vez: não existe substituto para o Lucas. O Lucas vale 100 milhões de reais. Não há substituto para ele no elenco, no Brasil e nem no mundo.

    Estamos jogando com um esquema feito para um jogador que nem joga mais no clube.

    O que pretendo com esse texto não é criticar o São Paulo de ontem, que jogou muito mal, mas ainda creio que vá melhorar. Estou apenas usando o São Paulo como exemplo. O que quero com esse texto é outra coisa. É só entender um negocinho: Por que raios o 4-4-2 morreu?
    (Juvenal Juvencio Fake)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*