Acabou a era Juvenal. Após 8 anos, presidente tem só mais um jogo para ver

juvenal

De forma melancólica, acabou a era Juvenal Juvêncio no São Paulo. A eleição pelo seu sucessor só acontecerá no dia 16 de abril, mas o presidente que sentou na principal cadeira do Morumbi pelos últimos oito anos perdeu nesta quarta-feira a chance de ver o São Paulo campeão pela última vez debaixo de seu comando. Agora, Juvenal vê apenas mais um confronto antes de se retirar: contra o CSA, no dia 9 de abril, pela Copa do Brasil.

Juvenal Juvêncio se descreve como o dirigente mais vencedor da história do São Paulo. Não se refere apenas ao período como presidente, pois comandava o departamento de futebol da gestão Marcelo Portugal Gouvêa quando a equipe foi campeã da Copa Libertadores e do Mundial, em 2005. Como presidente, ganhou o tricampeonato do Brasileirão – 2006, 2007 e 2008 – e uma Copa Sul-Americana, em 2012. Se não foi o mais vencedor, foi certamente o mais marcante desde Laudo Natel, seu primeiro mentor.

O São Paulo de Juvenal foi um dos clubes que resistiu à ruptura do Clube dos 13, em 2011. Ele ainda foi um dos que contribuiu para a queda de Ricardo Teixeira como presidente da CBF – comprou briga com a entidade desde junho de 2010, quando perdeu a abertura da Copa do Mundo de 2014 no Morumbi para ver o Corinthians iniciar a construção do Itaquerão. Tudo isso por um preço: Juvenal adotou o continuismo e a centralização de poder. Mudou o estatuto social do clube e, depois, passou por cima do mesmo.

Primeiramente o presidente ampliou o tempo de mandato de dois para três anos. Eleito em 2006, passou dois anos como presidente para ser reeleito e ganhar outros três anos de mandato. Depois, naquilo que foi considerado mais grave, fez com que fosse adotada uma interpretação que lhe permitiria a segunda reeleição, algo proibido pelo estatuto. Baseou-se na primeira mudança para afirmar que, com o novo tempo de mandato, tinha direito a nova reeleição. Conseguiu, em 2011, se manter até 2014.

E foi nesse último triênio que Juvenal viu seu São Paulo viver os piores anos. Parou de frequentar a Libertadores, marca registrada do clube. Errou na montagem dos times, virou uma máquina de queimar técnicos – Carpegiani, Adilson Batista, Emerson Leão, Ney Franco, Paulo Autuori. Acabou onde menos esperava: do céu ao inferno, colocou o time na maior crise de sua história, lutando contra o rebaixamento no Brasileirão. O retorno de Muricy Ramalho – aquele que Juvenal demitiu em 2009 por fracassar em quatro Libertadores – amenizou o problema.

Agora, o candidato da situação Carlos Miguel Aidar e o oposicionista Kalil Rocha Abdalla disputam a sucessão de Juvenal Juvêncio. Um deles será o novo presidente do clube na noite de 16 de abril. Até esse processo de sucessão trouxe conflitos a Juvenal. Sem encontrar sucessor, o presidente teve de quebrar pela segunda vez a promessa feita a um de seus mais fiéis aliados, o vice Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco. Tirou a nomeação de Leco para dar a Aidar, que hoje é favorito.

No dia 9 de abril, contra o CSA, o presidente Juvenal Juvêncio verá o São Paulo em campo pela última vez. Depois, o time só jogará no dia 20, contra o Botafogo, pela estreia no Brasileirão. Nesta data, o presidente já será outro.

 

Fonte: Uol

4 comentários em “Acabou a era Juvenal. Após 8 anos, presidente tem só mais um jogo para ver

  1. GOLPISTA SAFADO, PÉSSIMO, NEM DEVERIA ESTAR LÁ!

    MAS O CULPADO POR ESSA ELIMINAÇÃO É O MAIOR ENGANADOR DO FUTEBOL BRASILEIRO, O MULACY, TÉCNICO MEDIOCRE QUE AGORA CULPA O PLANTEL.

    QUERIA VER SE ELE TREINASSE O PENAPOLENSE, SE CONSEGUIRIA FAZER O QUE O NARCISO FEZ.

    TÉCNICO MEDIOCRE, TEVE OS REFORÇOS QUE PEDIU E MONTOU ESSE TIMECO ENGESSADO, SEM DINÂMICA NENHUMA, QUE SÓ UTILIZA A PANELINHA DE 12 JOGADORES. PRA QUE QUER PLANTEL MELHOR ? PARA USAR SÓ OS “QUERIDINHOS” ?

  2. Tive a oportunidade de conhecer o Juvenal e posso afirmar que ele não é uma má pessoa. Ele genuinamente quer o melhor para o SPFC. O problema é que o Juvenal sabe cuidar de cavalo e fazer política. Porém, não é um gestor esportivo -especializado, remunerado (com metas e objetivos) e moderno. Gosto da proposta do Aidar de colocar 4 diretores, desde que se enquadrem neste perfil, como funciona em qualquer outra empresa do mundo. Gosto das idéias do Marco Aurélio e o fato de ele ser do futebol. O que vier será melhor do que o Juvenal, que está muito ultrapassado. Um departamento que fatura mais de 100 milhões por ano não pode ter diretores executivos amadores, que só chegaram lá pelo vinculo associativo.
    As decisões não podem ser tomadas de forma amadora como são hoje, baseadas em: emoção, orgulho, amor ao clube, interesses particulares, conchavos, picuinha, etc. Para se contratar um jogador é preciso avaliar o binômio competitividade/lucratividade. Não da pra ter um elenco com Cortez, Clemente Rodriguez, Fabricio, João Felipe, Cañete e Denilson custando o que custaram (salários + luvas + eventual multa contratual) sem que sequer sejam relacionados. Sem mencionar Paulo Miranda, Welinton, Luis Ricardo, Douglas, Ademilson, Maicon, Antonio Carlos e Edson Silva. Isso só de 2014. Imagina lembrar os 8 anos do JJ (4 títulos e 12 vexames)…..

  3. Nem o diabo te quer por la. E veneno puro onde for.
    Pior e que deixara uma heranca tambem maldita.
    Nao acredito em cartolas e politicos,
    esse provavel sucessor e da mesma laia.
    Deveria mesmo mudar a oposicao no comando,
    masss, isso, provavelmente nem com esse PENAPOLENTASSO.

  4. Após todo este tempo só tenho uma coisa a dizer a vc Juvenal:

    VAI TOMAR NO C*!

    VAI EMBORA que nem o diabo te quer!

    Afundou o SPFC 2x, capeta de presidente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*