O São Paulo de 1953

Outro time do São Paulo campeão paulista. Já havia uma renovação no plantel.

Em pé:
Alfredo, Desordi, Pé-de-Valsa, Poy, Mauro e Bauer.

Agachados:
Maurinho, Albella, Gino, Negri e Teixeirinha.

11 comentários em “O São Paulo de 1953

  1. Caro amigo, eu também sou Sãopaulino e tenho muitas saudades desse time de 1953. hoje sinto tristeza em ver um grupo de enganadores, manchando o nome do nosso são Paulo, más quem sabe o nosso futuro presidente Marco Aurélio Cunha, resgate esse time é junto com ele o nosso espaço entre os grandes do futebol brasileiro. Um abraço. Mendonça.

  2. em 1953 eu já era Sampaulino há 12 anos porque nasci em 1941, mas, este campeonato ficou na minha memória porque marcou o fima da minha infância, pois em Janeiro de 1954 comecei a trabalhar e estudar à noite. A foto e os nomes desta equipe maravilhosa ainda hoje fazem meu coração acelerar. São Paulo F.C. clube glorioso.

  3. Meu pai que era palmeirense me levou pra ver Palmeiras e São Paulo no pacaembu. Eu tinha sete anos nessa época e o São Paulo passeou esse dia. Essa escalação está na minha cabeça e eu não vou esquecer nunca.

  4. no campeonato paulista de 1953 o SPFC realizou uma façanha raríssima no futebol…..14 vitórias seguidas!!!!…..eu era criança,acompanhava os jogos do São Paulo pela Rádio Record,com Geraldo José de Almeida,sãopaulino roxo….

  5. Comecei a ser sampaulino após esse título, com 8 anos de idade. Meu pai, corintiano, me levava ao Pacaembú para ver jogos dos gambás. Não me induziu e passei a ser o 1° tricolor na família. Hoje somos muitos, felizmente.

  6. Creio que todos esses jogadores já passaram à eternidade; mas deixaram em nossas lembranças a imagem de um SPFC inesquecível – Campeão Paulista de 1953
    Me lembro do retorno da delegação para SPaulo – ligado na Radio Panamericana e ouvindo outro sampaulino – Estevam B.Sangirard no Revivendo a Rodada e com entradas de outro sampaulino inesquecível – Geraldo Jose de Almeida que narrou os gols de Maurinho, Albella e Negri.

  7. Dois meias argentinos que davam qualidade e toque de bola ao time. Nessa época, pré-Canhoteiro, meu ídolo era Albella, o El Atômico, como ressaltava o inesquecível Geraldo José de Almeida em suas transmissões dos jogos do Mais Querido!

    • Também me tornei Sampaulino com 11 anos de idade, quando a escalação do São Paulo era esse.
      Poy, Desordi e Mauro, Pé de Valsa, Bauer e Alfredo. Maurinho, Albella, Gino, Negri e Teixerinha. Se não estou enganado, Albella, era pronunciado como Albeja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.