Resultado melhor do que o futebol apresentado

Amigo são-paulino, leitor do Tricolornaweb, tivemos mais uma comprovação das dificuldades que Muricy Ramalho vem encontrando na definição do time do São Paulo. A vitória contra a Ponte Preta em Campinas vale muito mais do que o futebol que o time reserva do Tricolor apresentou.

O primeiro tempo foi desanimador, com uma avenida pelo lado esquerdo composta por Boschilia e Edson Silva. O time bateu cabeça por 45 minutos, sem oferecer qualquer trabalho para a defesa pontepretana. Literalmente falando, o time reserva incorporou a falta de vontade e abatimento que o titular apresentou contra o São Bento. Resultado foi o gol de Roni, atleta com contrato vigente com o Tricolor e que acabou sendo emprestado para o clube campineiro, em um vacilo inadmissível de Auro, que fez corpo mole na jogada e lançou janela afora mais uma chance de ganhar espaço no Tricolor.

A falta de reação do time só mudou com a mudança no posicionamento de dois atletas: Lucão, que fez boa partida e vem se candidatando a ocupar vaga no sistema defensivo, foi para a lateral esquerda e Boschilia para o meio campo, mais centralizado. O jogo se tornou mais equilibrado, com o São Paulo sofrendo menos defensivamente, ainda que não fosse extremamente criativo no ataque, mas conseguiu virar o jogo, com boas jogadas de Thiago Mendes e Ewandro para os gols de Paulo Miranda e Alan Kardec.

O segundo tempo do jogo serve de alento, mas é certo que o São Paulo precisa evoluir. Que esta evolução se confirme contra o San Lorenzo, na quarta-feira…

E a desconfiança continua…

Amigo são-paulino, leitor do Tricolornaweb, o São Paulo venceu pelo placar mínimo o São Bento, mas não espantou o clima de desconfiança que ronda o Morumbi. Ao contrário, mesmo com os três pontos, deixou mais um monte de pulgas na orelha da torcida, em razão do péssimo futebol apresentado na noite desta quinta-feira. O time todo deixou a desejar em mais uma partida do Campeonato Paulista, exceção a Rogério Ceni, Michel Bastos, Hudson e Boschilia – os dois últimos entraram no decorrer do jogo e merecem chances contra a Ponte Preta, no domingo.

Uma vez mais fica claro que a questão não passa simplesmente pela troca de peças, mas também pelo esquema de jogo, que continua capenga. No começo do jogo, o time tentou avançar a marcação para pressionar os zagueiros do São Bento, mas a iniciativa parou por aí. No restante da partida, o que se viu foi um número infindável de passes errados, falta de profundidade, lentidão e pasmaceira. A defesa, que ficava exposta sempre que os volantes subiam para tentar dar opção ofensiva aos meias e atacantes, só não sofreu durante os noventa minutos porque o ataque sorocabano é muito ineficiente.

O resultado confirma a liderança do grupo no Estadual, mas é mais uma oportunidade desperdiçada pelos jogadores e técnico de mostrarem uma reação ao marasmo que vem atingindo o clube. Se já foi difícil vencer o São Bento, imagina o San Lorenzo, que é melhor armado e (muito) mais técnico.

A partida contra a Ponte, em Campinas, tem que ser levada muito a sério para que tentemos organizar nosso jogo. Se repetirmos a performance desta quinta-feira contra nosso principal rival pela vaga às oitavas da Libertadores, a chance é grande de uma eliminação precoce.

Um passeio em Bragança Paulista

Amigo são-paulino, leitor do Tricolornaweb, antes de começar o jogo, com a previsão de entrarmos com um time misto, poucos esperavam ver entrosamento e um jogo fluido do São Paulo contra o Bragantino, fora de casa. E não é que esta (grata) surpresa veio? O Tricolor dominou amplamente o jogo, com uma troca de bola envolvente e excelente primeira impressão dos estreantes Centurión e Doria.

A fragilidade defensiva do Bragantino, que fez apenas 3 pontos no campeonato até agora, ajudou muito, mas a vitória dá ânimo para todo o elenco encarar a estreia na Taça Libertadores, contra o Corinthians.

Individualmente, merecem destaque a bela partida de Centurión, que demonstrou ser técnico, rápido e capaz de desequilibrar o jogo, deixando vários jogadores adversários irritados. A primeira impressão foi muito boa. Doria também fez uma boa estreia, ganhando todas dos atacantes do clube de Bragança. Por fim, impossível não destacar a partida de Boschilia – que marcou dois gols e ocupou os espaços pelo lado esquerdo do time com eficiência, especialmente na segunda etapa – e de Maicon, tão contestado pela torcida, mas que hoje assumiu o posto de meia da equipe com louvor.

A facilidade com que o time assumiu o esquema com três zagueiros deixa uma pulga atrás da orelha de Muricy, ainda que ele não tenha dado qualquer sinalização de que usará o 3-5-2 contra o Corinthians, com todos os titulares (menos Pato e Centurión, é claro) a disposição.

O único senão continua sendo a defesa, ainda que tenha sido pouco testada hoje. O time ainda fica exposto aos contra-ataques, como, por exemplo, aconteceu quando Lucão travou o ataque do Bragantino em cima da hora no início da partida. Edson Silva demonstra ter dificuldades em dar combate com três zagueiros e muitas vezes é deixado para trás por atacantes mais rápidos.

Enfim, é fato que vamos para cima do Corinthians com ânimo renovado e na expectativa de que o primeiro passo para o tetracampeonato seja dado na próxima quarta-feira.

Eduardo Gaggini